24 de novembro de 2010

O que é ser Homem

Um amigo que mora no Rio me enviou por email um texto que saiu recentemente no jornal Zero Hora, de Porto Alegre. O artigo em questão é intitulado "Os maridos que queremos para nossas filhas". O texto, surpreendentemente escrito por um prefessor universitário, traz pérola atrás de pérola da estupidez machista. Começa leve, discorrendo sobre os papéis de autoridade e de submissão, e depois faz uma tentativa de análise histórica do nosso tempo passando pelos valores que aprendeu na infância, supostamente os valores certos.

O artigo defende valores machistas que, achava eu, não tinham mais espaço nos dias de hoje, e considerei apenas que o autor - Gustavo Josta - teve uma diatribe psicótica num manancial de ideias retrógradas que apenas explicitavam a estupidez e o anacronismo de seus pensamentos, se é que podemos afirmar que se trata de um ser pensante. Estava prestes a deletar o texto quando algo despertou dentro de mim.

Ao listar uma série de características próprias do Homem como ele deve ser, li uma frase que me sacudiu. Uma frase que me trouxe de imediato lembranças de uma época em que o Homem sabia (e assumia) seu papel social. Uma frase que, por fim, acendeu de vez meu orgulho macho, dando a verdadeira dimensão da minha existência enquanto ser masculino. Uma frase que separa, definitivamente, os meninos dos homens, e os homens das mulheres, mostrando quem é o verdadeiro responsável pelos avanços da civilização. Sobre os homens, ele escreveu:


"Eles movem coisas pesadas."




Agora com licença que eu tenho um sofá pra carregar.

3 comentários:

  1. Rafael Bán Jacobsen25 de novembro de 2010 00:57

    Tem certeza que o nome do autor é "Josta" mesmo? Não trocaram uma letrinha não? Hahaha!

    ResponderExcluir
  2. Rafael Bán Jacobsen25 de novembro de 2010 00:58

    Fui ver lá no site da Zero o texto. O nome correto é Gustavo "Costa", mas, mesmo assim, ainda acho que tem uma letrinha errada...

    ResponderExcluir
  3. Sim, pois é, eu ia escrever outra palavra mais de acordo com o nível do professor, mas me segurei na última hora quando lembrei que a Leticia Wierzchowski processou o Milton Ribeiro por ter feito um trocadilho de cunho sexual com o sobrenome dela:
    http://cynthiasemiramis.org/2009/06/09/leticia-wierzchowski-processa-milton-ribeiro/

    ResponderExcluir

Colaboradores