26 de outubro de 2010

Transtornos psiquiátricos - escolha o seu

Todo mundo sabe que a moda hoje em dia é ser bipolar. Ou, pelo menos, se declarar bipolar. Depressivos estão em baixa e já não estão com nada. Uma esquizofreniazinha ainda pega bem com a mulherada. TDAH - Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade também te dá algum crédito... Mas todas essas doenças já estão ficando manjadas, afinal todo mundo tem uma dessas, seja o cobrador do ônibus ou a zeladora do seu prédio. Que tal ser acometido por um distúrbio psiquiátrico novinho? Se o seu livro de cabeceira também é o DSM-V, o que está esperando? Escolha já o seu!


Síndrome de Paris
  Síndrome de Paris é uma condição exclusiva para os turistas que faz com que eles tenham um colapso nervoso quando estão na capital francesa. Dos milhões de turistas japoneses que visitam a cidade todos os anos, cerca de uma dúzia sofre dessa doença e tem que retornar ao seu país de origem.
A condição é basicamente uma forma grave de 'choque cultural'. Alguns turistas japoneses que vêm para a cidade são incapazes de dissociar a visão idílica da cidade, vista em alguns filmes, com a realidade de uma agitada metrópole.
O turista japonês que entrar em contato com, digamos, um garçom francês rude, não será capaz de argumentar de volta e será forçado a engolir sua própria raiva que eventualmente leva a um colapso mental completo.
A embaixada japonesa tem uma linha direta 24 horas para os turistas que sofrem de choque cultural grave, e pode fornecer tratamento hospitalar de emergência se necessário.



Síndrome de Stendhal

  Síndrome de Stendhal é uma doença psicossomática que causa taquicardia, tonturas, confusão e até alucinações quando um indivíduo é exposto a arte, geralmente quando a arte é particularmente "bonita" ou uma grande quantidade de arte está em um único lugar. O termo também pode ser usado para descrever uma reação semelhante a um excesso de escolha, em outras circunstâncias, por exemplo, quando confrontado com a imensa beleza do mundo natural.
Tem esse nome por causa do famoso autor francês Stendhal, que descreveu sua experiência com o fenômeno de 1817, durante sua visita a Florença, Itália, em seu livro de Nápoles e Florença: uma viagem de Milão a Reggio.



Delírio de Capgras

  O delírio de Capgras é uma desordem rara em que uma pessoa tem uma crença ilusória de que uma pessoa conhecida, normalmente um cônjuge ou outro familiar próximo, foi substituído por um impostor idêntico.
É mais comum em pacientes com esquizofrenia, embora ocorra em pessoas com demência, ou após uma lesão cerebral.

Um relatório do caso disse o seguinte:
A senhora D., dona de casa, casada, 74 anos, recém-saída de sua primeira entrada psiquiátrica em um hospital local, apresentou-se a nós para uma segunda opinião. Na época de sua admissão, ela recebeu o diagnóstico de uma psicose incomum devido à sua crença de que seu marido fora substituído por um outro homem. Ela se recusou a dormir com o impostor, trancou seu quarto e porta à noite, pediu uma arma ao seu filho e lutou contra a polícia que tentou hospitalizá-la. Por vezes ela acreditava que seu marido era seu pai, há muito falecido. Ela reconhecia outros membros da família e confundia apenas seu marido.





Síndrome de Fregoli
  O exato oposto do delírio de Capgras - a ilusão de Fregoli é uma desordem rara em que uma pessoa tem uma crença ilusória de que pessoas diferentes são na verdade uma única pessoa que muda de aparência ou está disfarçada.
Tem esse nome por causa do ator italiano Leopoldo Fregoli que era renomado pela sua capacidade de fazer mudanças rápidas de aparência durante suas atuações no palco.
Foi primeiramente relatada 1927 por dois psiquiatras que discutiram o estudo de caso de uma mulher de 27 anos que acreditava estar sendo perseguida por dois atores que ela muitas vezes foi ver no teatro. Ela acreditava que estas pessoas "a perseguiam de perto, tomando a forma das pessoas que ele conhecia."

Delírio de Cotard

  A ilusão de Cotard é um raro distúrbio psiquiátrico, no qual a pessoa tem uma crença ilusória de que ele ou ela está morta, não existe, está putrefata ou perdeu o seu sangue ou órgãos internos. Raramente ainda pode incluir delírios de imortalidade.



Leva esse nome por causa de Jules Cotard, neurologista francês que primeiro descreveu a condição, que ele chamou de "le délire de negation" ("delírio de negação"), em uma palestra em Paris, em 1880.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Colaboradores